Ir direto para menu de acessibilidade.
Portal do Governo Brasileiro
Início do conteúdo da página
item->attribs); $video = $attributes->video; ?>

Prof. Dr. Lucio José de Sá Leitão Agra

Graduação: Bacharel e Licenciatura em Letras pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (1982).

Pós-Graduação

  • Doutorado em Comunicação e Semiótica pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (1998).
  • Mestrado em Comunicação e Semiótica pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (1993).

Projeto(s) de Pesquisa:

  • Arqueologias da mídia e formas de comunicação expandidas? O papel da comunicação na formação cultural brasileira da segunda metade do século vinte (2017 – Atual).
  • Descrição: O projeto parte da premissa de entendimento dos processos artísticos como processos comunicacionais, a partir da qual busca formular a sua hipótese central. Esta supõe que compreender a genealogia dos fenômenos comunicacionais "em ampla perspectiva e não somente nos que já são nomeados disciplinarmente como a publicidade, a televisão, o cinema etc" ajudará a compreender a justaposição que esse contexto comunicacional opera com as artes, revogando-lhes as tradicionais fronteiras de especificidades (teatro, dança, música, artes visuais, etc), urdindo uma trama de hibridizações entre meios que produz uma nova paisagem semiótica. Alguns aspectos que já apontamos como traços dessa formação singular podem ser descritos a partir do crescimento de meios e processos caracterizados pela impermanência, a instabilidade e o efêmero. Além disso amplia-se uma "poética intermeios", mediante a qual proliferam as correlações entre linguagens, favorecendo a produção de novas formas de expressão comunicacional-artística que resultam da mescla de outras já existentes. A produção de eventos ou acontecimentos "mais do que obras" na arte contemporânea estaria em consonância com o desenvolvimento de uma percepção sustentada na impermanência. O capitalismo de caráter emocional (LIPOVETSKY) sustenta-se na fluidez de mercados cujos bens trafegam na impermanência e representam valores monetários virtuais, o que Lipovetsky chama de "hipercapitalismo". Ao mesmo tempo a própria ideia de "representação" vem sofrendo abalos consideráveis seja pela disseminação de formas de presença antes apanágio do que se chamou de "Artes Cênicas" (CHARLE, 2012, CÍCERO, 2010) , seja pela passagem de um "mundo codificado" (FLUSSER, 2013) ao que chamaríamos de "hipercodificação", construtora de uma situação que não admite mais um "fora" das leituras, senão uma espiral infinita das mesmas. As recentes considerações de GUMBRECHT (2006) sobre a presença e de RANCIÈRE (2008) sobre a ideia de um "espectador emancipado" constituem elementos essenciais para a presente pesquisa. O breve mas já consistente contato com as bibliografias que circulam no CECULT me deixaram clara a necessidade de novas atualizações, sobretudo nos campos de Estudos sobre a Desconolonização e, do ponto de vista histórico, a relação da cidade de Santo Amaro da Purificação com os protagonismos artísticos que viriam a se desenvolver nas décadas posteriores aos anos 60, no Brasil e fora, sobretudo no terrendo da música gravada e ao vivo. Dessa forma o projeto encontra-se em fase de reformulação até o final de 2016, com vistas a um resultado a ser publicado em livro em 2019. Esta pesquisa dependerá, em grande parte, de uma atualização no campo de atividades acadêmicas em que estarei inserido. 

Acesso ao Currículo Lattes.

Fim do conteúdo da página