O parasitismo dos guarda-roupas 

Antes as tend√™ncias se transformavam com as esta√ß√Ķes, agora as novidades no guarda-roupa mudam mais r√°pido ainda e n√≥s tentamos acompanhar todas essas atualiza√ß√Ķes Maria J√ļlia Veloso Os ciclos s√£o cada vez mais r√°pidos e estamos consumindo mais, tanto no que diz respeito a conte√ļdos e informa√ß√Ķes, como em rela√ß√£o ao consumo financeiro em si. O soci√≥logo Zygmunt Bauman j√° havia expressado em seus estudos … Continuar lendo O parasitismo dos guarda-roupas 

A internet e o jornalismo digital

Um relato sobre a evolu√ß√£o do jornalismo e a inser√ß√£o dos meios digitais como mediador dos canais de comunica√ß√£o Manuela Paulino  Outro dia estava eu, jornalista, em um bar com amigos, como fazemos toda sexta-feira, no fim do expediente, quando come√ßou o assunto pol√™mico. ‚Äď   Voc√™s acham que a profiss√£o de jornalista vai acabar? ‚Äď disse Jos√©, estagi√°rio da reda√ß√£o h√° dois meses. ‚Äď … Continuar lendo A internet e o jornalismo digital

A import√Ęncia da atua√ß√£o dos jornalistas na pandemia 

Uma reflex√£o sobre a atua√ß√£o dos jornalistas na cobertura da Covid-19 e como esse momento at√≠pico impactou de diferentes formas a vida e rotina desses profissionais Girlane Teixeira Em meio √† maior crise sanit√°ria nos √ļltimos cem anos, o jornalismo revelou-se necess√°rio e potente diante de tantas incertezas, medos e preocupa√ß√Ķes. A atua√ß√£o dos jornalistas na cobertura da Covid-19, demonstrou-se essencial para a conscientiza√ß√£o da … Continuar lendo A import√Ęncia da atua√ß√£o dos jornalistas na pandemia 

A urgência de haver mais mulheres negras na política institucional

O ordenamento compuls√≥rio de controle infligido pelo Estado brasileiro aos corpos das mulheres, em especial as mulheres negras, atrav√©s da jurisprud√™ncia √© um alerta para as elei√ß√Ķes de 2022¬† Adriane Primo Meu nome √© Adriane Primo, tenho 35 anos, sou uma mulher negra, nordestina, bissexual e comunicadora por voca√ß√£o. Sou filha de Soane. Neta de C√Ęndida e Hilda. Sobrinha de Lindiane, Macione… Prima de Seilane, … Continuar lendo A urg√™ncia de haver mais mulheres negras na pol√≠tica institucional

A fé é o que a vida tem de cru e bonito

Segundo a minha av√≥, a f√© √© crua porque, para t√™-la precisamos passar pelas prova√ß√Ķes di√°rias, e bonita porque as prova√ß√Ķes nos fazem crescer e chegar ao topo do autoconhecimento, do amor, da maturidade e, principalmente, da felicidade plena J√ļlia Rodrigues de Lima Diz o ditado popular que a f√© move montanhas, mas qual a melhor maneira de traduzir essa f√©? Segundo o dicion√°rio, √© … Continuar lendo A f√© √© o que a vida tem de cru e bonito

Viva a vida!

Voc√™ j√° parou pra pensar sobre a vida? Voc√™ est√° vivendo ou somente existindo?¬† Denilson Cerqueira  A partir das v√°rias mortes que tivemos nos √ļltimos anos, das v√°rias vidas que se foram por conta da Covid-19, ou por qualquer outra causa,  ao ver um ente querido passando por dificuldades no hospital, deitado em uma maca hospitalar, em uma sala branca, ligado a aparelhos, com a … Continuar lendo Viva a vida!

Reflex√Ķes ap√≥s o amanhecer 

Um misto de sentimentos e desabafo. Charlie Brown Jr. nunca errou quando disse: ‚ÄúS√≥ os loucos sabem‚ÄĚ Sabrina Ortega √Č t√£o impressionante a rea√ß√£o que o clima provoca em mim. Certo dia, ainda antes de me levantar da cama, olhei no rel√≥gio e eram umas cinco horas e onze minutos da manh√£. Estava aquele tempo chuvoso, o c√©u cinza, bem nublado, um ventinho gelado balan√ßando … Continuar lendo Reflex√Ķes ap√≥s o amanhecer 

Tem caboclo querendo sambar

Epis√≥dio vivenciado em uma tarde fria de domingo, em S√£o F√©lix: festa de caboclo com muita bebida, charutos e um mist√©rio ainda sem solu√ß√£o Weverton Dantas ‚ÄúEle s√≥ vem quando Ciara chegar‚ÄĚ, gritava m√£e Itamara sentada em uma cadeira de madeira em frente √† casa do caboclo Pedra Lisa, onde L√©o ‚Äď o respons√°vel por hospedar a divindade  ‚Äď  esperava impaciente. No terreiro, os demais tamb√©m … Continuar lendo Tem caboclo querendo sambar

Abutres Sociais

O sensacionalismo e a falta de √©tica s√£o pr√°ticas delet√©rias que ganham um maior poder destrutivo com o crescimento das redes sociais Lu√≠s Henrique Silva Pitanga Ao acordar na manh√£ de 26 de junho, ainda meio sonolento, peguei meu celular e entrei no Instagram onde me deparei com uma postagem sobre L√©o Dias. N√£o dei a devida aten√ß√£o. Achei que se tratava de mais uma … Continuar lendo Abutres Sociais

As guerras não têm endereços, apenas destinatários

Uma breve an√°lise sobre a batalha num contexto pand√™mico e a nova guerra que o mundo enfrenta atualmente D√™nia Carneiro Ao pensar a guerra e a sua cor, deparo-me com tantos n√≥s, um emaranhado de la√ßos e significados. Posso come√ßar pelo boato, ou afirmar que as guerras nascem do medo, que s√£o acompanhadas de rumores e, c√° entre n√≥s, os burburinhos sociais de guerra existiram … Continuar lendo As guerras n√£o t√™m endere√ßos, apenas destinat√°rios

Quando a vida começa?

Uma reflex√£o sobre a sobreviv√™ncia da mulher em uma sociedade patriarcal J√ļlia Maciel¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬† ¬†¬†8 de julho, Cachoeira- BA Nesse √ļltimo m√™s foi muito dif√≠cil ser mulher. N√£o que os outros meses do ano sejam f√°ceis.  Mas nesse m√™s de junho fomos mais uma vez lembradas do desprezo que se tem pela mulher no mundo. Presenciamos uma barb√°rie contra uma menina de onze anos que foi … Continuar lendo Quando a vida come√ßa?

Daniel foi +1

Esta √© uma cr√īnica escrita na emerg√™ncia… n√£o em cima da hora, e sim na emerg√™ncia! Danielle Almeida Santo Ant√īnio de Jesus, o com√©rcio mais barato da Bahia, o melhor S√£o Jo√£o da Bahia, t√≠tulos que a cidade carrega com muito orgulho. Hoje, 18 de julho de 2022, uma segunda-feira, Saj (como o munic√≠pio √© chamado) foi not√≠cia no Fant√°stico e na Folha de S√£o … Continuar lendo Daniel foi +1

(M√°s) caras

Uma reflex√£o sobre as m√°scaras ‚Äď f√≠sicas e sociais ‚Äď utilizadas dentro e fora de per√≠odos pand√™micos. Fellipe Moreira As m√°scaras que cobrem nosso rosto s√£o diversas. Elas surgem em momentos seletos ou em companhias espec√≠ficas. Principalmente quando nos olham com ‚Äėm√°s caras‚Äô. A da alegria quase sempre falsamente estampada sobre a do abatimento. √Č como escreveram Ricardo Feghali e Nando: “Mas, se me olhar … Continuar lendo (M√°s) caras

O nome do planeta ainda é fome

A reinser√ß√£o do Brasil no mapa da fome escancara a pol√≠tica genocida do governo Bolsonaro e acentua, ainda mais, a desigualdade no pa√≠s Jo√£o Carneiro O Brasil voltou ao mapa da fome. Esta √© uma das not√≠cias que ningu√©m queria ler, mas que boa parte da popula√ß√£o sabia que ia acontecer. Hoje pela manh√£, antes de preparar o meu caf√©, debrucei-me nesta triste not√≠cia. Imediatamente, … Continuar lendo O nome do planeta ainda √© fome

Melodias pluviais

Das √°guas do Samba nutre-se uma na√ß√£o, entre as epistemologias brasileiras e a macumba radical dos bambas, te levo a mem√≥rias de uma mar√© cheia David Sol ‚ÄúAlvorada l√° no morro / Que beleza / Ningu√©m chora / N√£o h√° tristeza / Ningu√©m sente dissabor / O sol colorindo √© t√£o lindo / √Č t√£o lindo / E a natureza sorrindo / Tingindo, tingindo‚ÄĚ. Na … Continuar lendo Melodias pluviais